(11) 4586-1129

Cerca de 2 mil pessoas ainda não voltaram para tomar a 2a dose da vacina contra a Covid em Jundiaí

O agendamento para esse público ainda pode ser feito por meio dos canais digitais da prefeitura (site ou aplicativo).

Cerca de duas mil pessoas ainda não voltaram para tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19 em Jundiaí (SP).

Por conta das sobras de vagas nas agendas de segunda dose da AstraZeneca, a prefeitura vai ampliar a oferta para os usuários faltosos que tenham recebido a primeira dose do imunizante até 15 de maio.

Além das vagas para a segunda dose, moradores de 27 e 28 anos também podem agendar a primeira dose da vacina a partir desta quinta-feira (5).

A maioria das vacinas utilizadas contra a Covid-19 usa duas doses para imunização. CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer, vacinas que fazem parte do Programa Nacional de Imunizações (PNI), precisam das duas doses, em intervalos diferentes, para que o esquema vacinal seja completo. A única exceção, até o momento, é o imunizante desenvolvido pela Johnson&Johnson, que utiliza apenas uma dose.

Por que precisamos de duas doses da vacina?

Os estudos das vacinas foram feitos com a imunização em duas doses. Ou seja, a eficácia prometida pelas empresas foi determinada a partir dos testes com duas aplicações. Além de aumentar a proteção, a segunda dose ajuda a prolongar essa proteção.

“A primeira dose vai provocar um estímulo da resposta do nosso sistema imune. Quando você toma a primeira dose, ela já provoca que o nosso sistema de defesa comece a produzir os anticorpos. Mas uma dose não é suficiente, vamos precisar de um reforço. Esse reforço fará com que a produção de anticorpos seja melhor ainda e nos deixe imune por mais tempo. A eficácia da vacina se torna maior, melhor e mais duradoura com a segunda dose”, explica o infectologista Gustavo Magalhães.

A epidemiologista Carla Domingues alerta que ainda não sabemos o que pode acontecer com quem recebe só uma dose.

“Ainda poderemos ter casos graves e óbitos nessas pessoas com esquema incompleto? Não sabemos. Por isso é fundamental que municípios recuperem essas pessoas, que chamem todo mundo e que a gente possa garantir o maior número de pessoas vacinadas.”

Posso tomar a segunda dose fora do prazo?
Mesmo fora do prazo é preciso completar a imunização para obter uma boa resposta imune. A vacina não protege só quem se vacina, ela cria uma barreira na comunidade, diminuindo as possibilidades de alguém se infectar.

“Quem deixou de tomar a segunda dose deve ir ao posto de vacinação. Quanto antes, melhor. De forma geral, a segunda dose é importante para alcançar uma melhor proteção. Quanto mais tempo você demorar, de certa forma isso está fragilizando sua proteção”, alerta o presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, Marco Aurélio Sáfadi.

A importância das duas doses para controlar a pandemia
Quem só tomou uma dose da vacina corre mais risco de se infectar, em comparação com pessoas que completam o esquema vacinal. Com mais vírus circulando, cresce a chance de surgir novas variantes.

“Se você não tiver completamente vacinado (com duas doses e duas semanas depois da segunda dose), você não está adequadamente protegido, principalmente para as novas variantes”, alerta a infectologista do Hospital Emílio Ribas, Rosana Richtmann.

“Precisamos garantir o maior número de pessoas recebendo as duas doses. Para que a gente possa ter a tão sonhada imunidade de grupo, para poder voltar ao normal, precisamos que, ao menos 70% da população receba as duas doses”, completa Carla Domingues.

Qual o intervalo entre doses?
Quem tomou a CoronaVac deve receber a segunda dose entre 14 e 28 dias.

Já as pessoas que foram imunizadas com a AstraZeneca ou Pfizer devem tomar a segunda dose após três meses.

fonte G1

Foto: Campanha da Argentina contra o Negacionismo