(11) 4586-1129

Jundiaí diz adeus a Antonio Galdino

Ex-vereador, que presidiu a Associação dos Aposentados por três gestões, foi liderança na luta em defesa dos trabalhadores, dos aposentados e da Previdência Social Pública, morreu na madrugada desta terça-feira (2). Lideranças políticas e ex-companheiros fizeram homenagem durante todo o dia.


É com imenso pesar que a Associação dos Aposentados de Jundiaí e região, recebeu a notícia do falecimento do grandioso Antonio Galdino, uma das figuras mais importantes na luta pelos direitos dos aposentados e pensionistas no país. E um dos maiores defensores da Previdência Social Pública.


Galdino nasceu em 25 de março de 1932, em Pinhal, interior de São Paulo. Foi vereador por três legislaturas em Jundiaí. De 1960 a 1963, pelo PSB, de 1997 a 2000 e de 2001 a 2004, ambas pelo Partido dos Trabalhadores de Jundiaí.
Galdino foi um dos precursores do movimento pela conquista dos 147%, em 1991.

Participou de diversas entidades em defesa dos trabalhadores e dos aposentados. Entre as principais atuações, Galdino foi dirigente do Sindicato dos Têxteis nos anos 50, presidiu a Associação dos Aposentados e Pensionistas de Jundiaí e região por três gestões. Foi também eleito presidente da Federação dos Aposentados e Pensionistas do Estado de São Paulo (Fapesp) e secretário-geral da Confederação Brasileira dos Aposentados e Pensionistas (Cobap).

A sede da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Jundiaí foi construída e inaugurada durante sua gestão. Antes disso, enquanto a nova sede era construída, a Associação funcionou dentro do Sindicato dos Bancários.


Por suas manifestações em defesa dos trabalhadores, foi perseguido durante a Ditadura Militar de 64 e viveu um período de autoexílio na antiga União Soviética.


Em 1994, Galdino concorreu como vice governador do Estado de São Paulo, junto com José Dirceu, pelo Partido dos Trabalhadores.

Lideranças políticas, amigos e companheiros de luta de Galdino prestaram homenagem ao grande líder durante toda a segunda-feira. Jornais, rádios e sites da região noticiaram a morte de Antonio Galdino.

O ex-presidente Lula também enviou nota de pesar. Galdino foi velado e sepultado na tarde de ontem em Jundiaí. Deixou a esposa Deolinda, dois filhos e netos.

Nota de pesar pelo falecimento de Antonio Galdino

02 de junho de 2020

Antonio Galdino foi um grande companheiro, sindicalista, militante partidário, escritor e lutador incansável pelo direito dos aposentados e pensionistas. Foi vereador e candidato a vice-governador de São Paulo, pelo Partido dos Trabalhadores, em 1994.

Pela sua luta em defesa dos trabalhadores Galdino foi perseguido, e teve que morar fora do país durante a ditadura. Infelizmente o Brasil de hoje é, mais uma vez, governado por pessoas sem nenhum carinho pelas causas dos trabalhadores, nem respeito pelo direito de todos terem uma velhice digna, parte fundamental de uma sociedade civilizada e humanista. Galdino deixa uma vida de militância exemplar e ensinamentos para a construção de um Brasil mais justo e solidário. Minha solidariedade aos parentes, amigos e companheiros de Antonio Galdino.

Luiz Inácio Lula da Silva

Galdino em audiência com o ex-presidente Lula, em abril de 2005: em defesa do aumento das aposentadorias e da Previdência Social Pública.

Com Fé Juncal e Marcos Tebom, que hoje ocupam as funções de presidente e vice da Associação dos Aposentados.
Paulo Malerba, presidente do Sindicato dos Bancários de Jundiaí e região, com Antonio Galdino em 2013

Morte de Galdino repercute na imprensa